Blog BIO ACS é vida.

GRUPO A CATEGORIA EM 1º LUGAR

Companheiros Participe do nosso Blog e Sejam Bem Vindos !

ACESSOS ONLINE

VISITAS ONLINE

Total de Acessos em Nosso Blog BIO ACS é Vida.

COMUNICAÇÃO

COMUNICAÇÃO

ASSOCIAÇÃO


PISO

PISO
REAJUSTE JÁ

terça-feira, 31 de maio de 2011

AGENTES DE SAÚDE DO PAULISTA-PE PARTICIPAM DE SENSIBILIZAÇÃO NA PREVENÇÃO À AIDS.

Os cerca de 670 agentes comunitários de saúde do Paulista estão participando de uma série de oficinas de sensibilização e prevenção às DSTs, HIV e Aids.
 
A ênfase do processo de capacitação é voltada para direitos humanos e segmentos populacionais mais vulneráveis.
 
A ideia é quebrar preconceitos e preparar os agentes dentro do conceito de humanização no desempenho do trabalho nas comunidades.
 
As oficinas estão sendo promovidas nas terças e quintas, das 13 às 17h, no auditório da Secretaria Municipal de Saúde, sob a coordenação da especialista e assistente social Fátima Moreira.
 
A programação segue até o dia 30 de junho.
 
 

FONTE: PAULISTA EM 1º LUGAR





SINDACS-PE e Agentes de Saúde em mesa de negociação em Recife-PE.

A Prefeitura do Recife-PE. marcou para hoje, terça-feira (31/5), a partir das 9h, na Câmara dos Vereadores, uma apresentação do Relatório de Gestão Fiscal do quadrimestre 2011.

O Sindacs-PE convoca a categoria para participar do encontro e logo após, será realizada uma caminhada até à Prefeitura, onde será aguardado o desfecho da Mesa Municipal de Negociação, que ocorrerá no mesmo dia, às 15h.



FONTE:

Tiago Brito - Comunicação - SINDACS-PE
Maria Betânia - Diretoria de Imprensa



segunda-feira, 30 de maio de 2011

As histórias de ex-moradores de rua que viraram Agentes de Saúde e hoje cuidam da "população invisível".


Foto: Livia Machado, iG São Paulo


O mendigo que bate na janela do carro e pede esmola pode sofrer da mesma pressão alta do motorista que fecha o vidro e torce para o semáforo abrir rápido.

hipertensão que prejudica ambos, no entanto, tem formas diferentes de ser vista. No morador de rua, ela é invisível, apesar de ser duas vezes mais incidente do que na população geral.

Para cuidar destes “pacientes fantasmas”, Marivaldo, José Hilmar, José Carlos e Manoel aceitaram dedicar oito horas de seus dias, seis vezes por semana.

Eles também já dormiram ao relento, passaram frio e sabem que tudo fica em segundo plano quando não se tem casa para morar.

A experiência em viver nas ruas os convenceu de que prevenir doença é sim um instrumento de reinserção social.

Mesmo sem diploma universitário (por enquanto, já que eles vão fazer faculdade) viraram “doutores”. Doutores das ruas.

Chamam seus “pacientes” pelo nome (e apelido), fazem ficha médica, levam ao posto e ao hospital quem é ignorado a ponto de passar a fazer parte do cenário urbano como algo imóvel, tal qual uma árvore ou o cimento das calçadas.

A reportagem do iG Saúde acompanhou dois dias de trabalho destes agentes de saúde especiais, ligados à Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo.

Em um árduo trabalho que exige caminhar – em média – 15 quilômetros por dia, a equipe leva a melhor medicina ao estilo “olho no olho” para quase todas as esquinas do centro paulistano.


Foto: Livia Machado, iG São Paulo


 

Recuperação do pós-cirurgico entre carros, buzinas e gás carbônico

Meio-dia, sol escaldante, população apressada.

Para os agentes, um paciente. Para os pedestres que queriam chegar mais rápido à estação Tatuapé, na zona leste paulistana, o homem deitado em plena calçada da Avenida Radial Leste era encarado só como um obstáculo ao tráfego.

José Carlos dos Santos, 46 anos, diz compreender esse comportamento. “Eu também não reparava nos moradores de rua até me tornar um”, afirma, ao aproximar-se do paciente.

Antes de sentir a angústia de ser “lombada viva” nas ruas de São Paulo, Zé Carlos trabalhava como gerente de uma rede de supermercados, com bom salário e boa vida. Perdeu o emprego em 1999. Um ano depois não conseguiu mais pagar o aluguel e, mesmo com estudo completo, acabou nas ruas.

Foram quatro anos sem endereço fixo, dormindo em papelões, em um enredo muito parecido ao enfrentado por aquele homem/obstáculo da Radial Leste que agora era “paciente” do ex-gerente de supermercado, ex-morador de rua e atual agente de saúde.

Cuidar daquele homem – que com a voz rouca disse que acabara de receber alta hospitalar após ficar 40 dias internado por conta de uma forte pneumonia – era mais do que o ofício. Era Zé Carlos fazendo as pazes com o seu passado.

Doenças sem endereço

No dia acompanhado pela reportagem, Zé Carlos percorria a cidade junto com outros três “doutores das ruas”, os agentes José Hilmar de Andrade, 41 anos, Marivaldo da Silva Santos, 36, e Manoel Simões Costa, 61 anos. Todos, diariamente, enfrentam, brigam e fazem as pazes com os dias difíceis que já passaram.

Cada um deles já morou na rua por motivos diferentes. O resgate dessa vida foi feito por meio de um papel pregado nas paredes de todos os albergues municipais de São Paulo em 2004, 2005 e 2006.

Na época, a Prefeitura teve a ideia de formar equipes de Saúde da Família que cuidariam exclusivamente da população de rua. Como sabiam que os pacientes seriam resistentes em tratar as doenças que nem imaginavam ter, a estratégia foi escalar quem já viveu na pele a situação, capacitar estes interessados e transformá-los em ponte entre os moradores das calçadas e as unidades de saúde.

Hoje, já existem 24 equipes de Saúde da Família de Rua, que atuam em 11 Unidades Básicas de Saúde (UBS) distribuídas em 10 Distritos da capital paulistana.

Os agentes capacitados ficam responsáveis por pedacinhos da cidade.

Cadastram todos os moradores em situação de rua que encontram nas andanças pelo perímetro que fica sob suas responsabilidades.

São eles que fazem o cartão do Sistema Único de Saúde (SUS) dos mendigos, os convencem a procurar o posto médico e, por vezes, a passar pela primeira consulta de suas vidas.

Fazer com que não abandonem o tratamento também é missão destes agentes.

Zé Carlos, Hilmar, Marivaldo e Manoel foram aprovados por esta seleção do governo municipal entre 2005 e 2006.

Em pouco tempo na nova carreira, ganharam o prefixo “ex” antes das palavras “morador de rua”, classificação que durante anos definiu a situação de vida de todos eles.

Por meio de suas anotações, fichas e encaminhamentos, estes agentes ajudaram a Secretaria de Saúde a desenhar a incidência das doenças que moram a céu aberto.

Revelaram que os moradores de rua, além de esquecidos, são hipertensos, diabéticos, tuberculosos e sofrem com doenças sexualmente transmissíveis e dependência química em níveis muito superiores aos da população em geral.

“De certa forma, conseguimos fazer com que, pelo menos para o SUS paulistano, eles deixem de ser invisíveis”, diz o agente Marivaldo.

As doenças a céu aberto


Crack, desilusão e poesia

Marivaldo não deixou a cidade natal Feira de Santana, na Bahia, para ser invisível em São Paulo. Pelo contrário. A oportunidade de trabalhar na cidade grande e ganhar R$ 400, aos 18 anos, como ajudante de obras pintou como a chance dele, pela primeira vez, se destacar.

O sonho do emprego virou pesadelo em apenas três meses. Demitido e sem dinheiro, as ruas em torno da Praça da Sé, marco zero paulistano, viraram a única moradia possível. Neste período, o jovem quase virou notícia. Dormia no mesmo local onde em 1996 os moradores de rua foram brutalmente assassinados.

Naquela noite, Marivaldo tinha mudado “de cama”. Acredita que só por isso não foi morto a pauladas e não estampou a primeira página de todos os jornais do dia seguinte. Driblando as drogas e as bebidas, ele fez da poesia seu único vício. Escrevia compulsivamente em cadernos encontrados no lixo. Em 2005 – pouco depois de encontrar a ressurreição no anúncio da prefeitura – os versos viraram livro.

“Todo o salário que ganhei como agente investi em estudo. Primeiro terminei o ensino fundamental, depois o médio e agora entrei na faculdade de Assistência Social”, conta.

Se Marivaldo conseguiu escapar da sedução das drogas que prometem esquentar o frio e enganar a fome de quem vive na rua, Hilmar e Manoel acreditam que só passaram a viver nas esquinas por causa dos entorpecentes.

“A vida havia perdido o sentido”, lembra Hilmar. “Um dia ganhei R$ 2 mil em um bico. Fui para a rua, torrei tudo em crack e nunca mais aprendi o caminho de volta para casa. Sem documento, sem banho, morei na rua por quatro anos”, conta ele, resgatado da dependência em 2006 pelo mesmo convite para deixar de ser só um viciado e virar agente de saúde.

Já Manoel ganhou o “passaporte” para as ruas aos 56 anos, regado a muito álcool e uma desilusão amorosa. Bem antes disso, aos 16, ele pegou gosto pela bebida tomando o restinho dos drinques que sobravam nos copos dos clientes da churrascaria, no Rio Grande do Sul, onde trabalhava como garçom.

Veio para São Paulo, casou e teve um filho. “Bebia demais, era um desgosto” conta.
Um dia brigou com a mulher, saiu de casa para ajudar a descarregar um caminhão. Os trocados pela ajuda ele gastou em álcool. Foi assaltado, perdeu a carteira e a coragem de voltar para família.

Ficou na rua por dois anos até ver o anúncio para ser agente de saúde em um albergue onde parou para tomar banho e fazer a barba. Criou a estratégia de anotar todas as gírias faladas na rua em uma caderneta. “Se você desaprende a linguagem deles, não consegue a confiança”, explica o doutor mais velho do grupo.


Leia também: Sobreviventes do crack


Ceia



Foto: Livia Machado, iG São Paulo



Refeição do dia: salgadinho de bacon, macarrão, pão e água


A ternura que estes doutores da rua carregam em suas visitas diárias contrasta com o passado que tanto os maltratou.

Um bate-papo com a população de rua, numerosa e ao mesmo tempo invisível, pode ser o remédio que eles precisam para sair do limbo urbano, procurar ajuda e talvez a reinserção na sociedade, apostam.

Vencer a tuberculose, o diabetes, a hipertensão e a dependência química de seus pacientes já seria desafio suficientemente difícil, mas estes agentes de saúde querem mais.

Ao final da jornada acompanhada pelo iG, Marivaldo, Zé Carlos, Hilmar e Manoel encontraram um grupo de moradores de rua que partilhava salgadinhos, salsichas e miojo. A refeição era calórica e pouco nutritiva para os pacientes que têm índices de hipertensão de 43% e diabetes de 33%.

Mas não era só isso que incomodava os doutores da rua. Eles ainda não conseguem entender por que seus pacientes – que na hora do contato, discutiam literatura e poesia (eles indicaram livros e versos à repórter) – seguem sendo encarados só como lombadas vivas por quem passa com pressa pela rua.



Foto: Livia Machado, iG São Paulo



FONTE:  iG São Paulo.



domingo, 29 de maio de 2011

A Saúde à beira da falência.

Faz cerca de uma semana, a Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou relatório anual com dados sobre a saúde no mundo, entre eles os investimentos no setor por país.
 
 
Lamentavelmente, a despeito de possuir, em teoria, um modelo vanguardista, o Sistema Único de Saúde (SUS), o Brasil fez papel vergonhoso.
 
Entre as 192 nações avaliadas, ocupou a medíocre 151º posição.
 
Só para ter uma idéia da gravidade da situação, aqui, a parcela do orçamento reservada à saúde é de 6%.
 
A média africana, região extremamente mais pobre e com incontáveis problemas sociais, é de 9,6%.
 
Fato é que, em termos de financiamento, o Brasil está muito distante de países em que o acesso à saúde é, na prática, universal, integral, um direito de todos os cidadãos.
 
No Reino Unido, 86% são de recursos públicos.
 
Na Suécia, investe-se 85%.
 
Na Dinamarca, Alemanha e França as destinações são, respectivamente, de 83%,76% e 75%.
 
Óbvio que temos que nos indignar, além de nos preocupar e alarmar, ao ver que ficamos somente à frente de nações como Angola, Paquistão e outras de menor expressão no mapa geopolítico-econômico do planeta.
 
Um país que nos dias de hoje vai firmando-se realmente como emergente, especialmente no que tange à solidez de suas finanças, não pode jamais ostentar índice tão insignificante num indicador de respeito e compromisso social, como a saúde.
 
Não vale aqui jogar pedra em uns ou em outros, pois historicamente já perdemos tempo demais com isso.
 
Certo é que existem soluções para o problema; uma delas passa pela regulamentação da Emenda Constitucional 29, e a conseqüente definição legal de quanto municípios, estados e Governo Federal devem aplicar no setor.
 
Com a regulação da EC 29, também serão estabelecidos quais podem ser considerados investimentos em saúde, impedindo assim desvios e o não-comprometimento orçamentário.
 
Parada há uma década no Congresso Nacional, a Emenda 29 parece não ter inimigos.
 
Todos os partidos e políticos a defendem, assim como 100% dos agentes da saúde.
 
No entanto, nunca é votada.
 
Temos então de descobrir quais são os opositores ocultos de sua regulação e denunciá-los publicamente para as devidas providências.
 
São pessoas que contribuem para a discriminação social.
 
Cabe aqui uma chamada à responsabilidade aos mandatários dos três níveis.
 
É hora de assumir uma postura cívica e mostrar a que vieram, liberando imediatamente suas bancadas para aprovar a Emenda 29.
 
O Brasil não pode mais esperar, nossa saúde está na UTI e o prognóstico é sombrio.

 
 
Antonio Carlos Lopes, presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica e diretor da Escola Paulista de Medicina/Unifesp
 
 
FONTE: Correio Mariliense.
 
 
 

sábado, 28 de maio de 2011

Agentes Comunitários de Saúde aguardam decisão judicial para tentar reverter risco de exoneração.

Grupo: Dos 54 agentes, 34 correm o risco de ser exonerados



Cresce a cada dia o temor dos agentes comunitários de saúde de Santo Ângelo-RS, de serem exonerados de suas funções. "A qualquer momento, podemos perder o emprego", alerta a agente Jane Zaltron, que juntamente com Lenice Munari e Mirtes Kessler coordenou, ontem pela manhã, uma reunião com colegas no auditório dos Conselhos Municipais no Centro de Cultura.

Segundo ela, são 34 agentes aprovados em concursos realizados em 1995 e 2004 que se encontram nesta situação, após o apontamento do Tribunal de Contas do Estado (TCE) invalidando o processo seletivo ocorrido nesses dois anos. Conforme ela, o primeiro processo foi realizado na época do então prefeito Adroaldo Loureiro.

Jane adianta que a categoria aguarda uma decisão do TCE. "Mesmo assim estamos exercendo normalmente as atividades.

Mas a preocupação é que o Tribunal determine a exoneração a qualquer instante, pois até agora não foi tomada qualquer decisão", alega. Ela esclarece que os agentes estão defendendo a permanência dos seus empregos com recursos próprios, desde a contratação do advogado Paulo Leal. Para Jane, o erro não foi cometido pelos agentes, mas sim pelos elaboradores do concurso que ameaça ser anulado. "A preocupação é constante a cada dia", resume Jane.

Ela recorda que o prazo para ingressar com recurso expirou dia 17 de janeiro deste ano, quando chegou a notificação do TCE.

O salário médio dos agentes é de R$ 629,00 mensais para uma jornada de trabalho de 40 horas por semana, calcula.

MANIFESTAÇÃO
NA PRAÇA

No encontro de ontem, se fez presente o vice-prefeito Adolar Queiroz o qual manifestou solidariedade à preocupação dos agentes, dizendo que a administração municipal não medirá esforços para reverter a situação. Inclusive, na tarde do dia 16 de fevereiro, os agentes promoveram um ato na praça Pinheiro Machado, para comemorar os 16 anos de serviços prestados à comunidade.

Por outro lado, a categoria foi tomada de surpresa em relação à ameaça de exoneração, uma vez que todos os 54 agentes foram aprovados em prova seletiva e nomeados em 1995.

CONFIANÇA

Os agentes foram chamados pela administração municipal, dia 25 de janeiro, a qual deu ciência do apontamento do Tribunal de Contas.

O Município teria entrado com um pedido de liminar para evitar o desligamento imediato dos agentes, mas a medida ainda não havia sido julgada pelo Judiciário.

Caso a decisão seja contrária aos anseios da categoria, os agentes terão que se submeter a um novo processo seletivo, gerando transtornos aos trabalhadores, não garantindo que todos conseguirão ser aprovados, porque haverá outros candidatos inscritos, lembrou, na época, a presidente da Associação dos Agentes Comunitários de Saúde, Maria de Paula Tomazzi.



FONTE:  A Tribuna Regional






 

Servidores da área da Saúde não acatam proposta salarial do Município Mossoró-RN.



Os servidores da rede municipal de Saúde se reuniram na tarde de ontem para avaliar a proposta de aumento salarial enviada pela Prefeitura Municipal de Mossoró-RN.

A categoria se encontrou na sede do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Mossoró (SINDISERPUM).
 
O Executivo ofereceu um aumento salarial de 6,86%. “A categoria decidiu que não vai aceitar a proposta. Esse valor é muito baixo. Estamos querendo 21% de aumento”, relata Marilda Souza, presidente do sindicato.
 
Ficou acertado que a direção do Sindiserpum vai elaborar um ofício e entregar à Prefeitura na próxima segunda-feira, 30, comunicando a decisão, informando sobre o interesse em continuar com as negociações e esperando que seja oferecido um reajuste maior.
 
Além desta exigência, os servidores querem a alteração da Lei 020 que trata, entre outros, sobre o Plano de Cargos, Carreira e Salários. “Essa lei não está atendendo às necessidades do servidor.

Quando foi criada em 2008 por exigência do Ministério da Saúde, a Prefeitura fez as coisas nas pressas e só colocou coisas do seu interesse”, afirma Marilda.
 
A presidente do sindicato acrescenta que não houve consulta à categoria. “Têm muitas coisas que acontecem no município que não estão nessa lei, um exemplo é a residência médica que começou agora há pouco e não consta na lei”, completa.
 
Ela informa ainda que será criada uma comissão para debater outros assuntos como a questão da premiação das unidades de Saúde com melhor desempenho e que até agora não receberam a gratificação. Na área da Saúde, são 2.200 servidores entre médicos, enfermeiros, nutricionistas, agentes de endemias, técnicos de enfermagem, entre outros.

Com informações do repórter Bruno Soares
Foto: Wilson Moreno


FONTE: Portal GAZETA do Oeste




Agente de saúde desaprova prefeito de Santa Cruz-RN.

Um dos agentes comunitários de saúde, Odair, demonstrou insatisfação e desaprovação com relação as atitudes do prefeito Péricles.

“Já faz um ano que estamos esperando que o prefeito pague nossa insalubridade através da prefeitura e até agora nada. Isso é uma falta de vergonha”, disse revoltado Odair.

O pré-candidato a prefeito de Santa Cruz- RN, Paulo César (PHS), que também é agente de saúde, chegou a questionar essa atitude da Prefeitura e lembrou que vários agentes estão aguardando uma posição da prefeitura.

Paulo César voltou a criticar Péricles dizendo que o prefeito precisa ouvir a população ao invés de alguns bajuladores que estão ao seu lado.


FONTE: BLOG DO WALLACE


sexta-feira, 27 de maio de 2011

Concurrso para Agente Comunitário de Saúde.




Abre inscrições para o processo seletivo para a ADMISSÃO EM CARÁTER TEMPORÁRIO de Agentes Comunitários da Saúde da Secretaria Municipal de Saúde, conforme o Artigo 37, item IX/CF e Lei Complementar n. 72, de 28 de abril de 2011.

O MUNICÍPIO DE MIRIM DOCE-SC, comunica que se encontram abertas, no período de 23/05/2011 a 10/06/2011 as inscrições do processo seletivo, para a formação de cadastro reserva para vagas de Agentes Comunitários da Saúde da Secretaria Municipal da Saúde que surgirem dentro do prazo de validade deste processo seletivo no Serviço público Municipal de Mirim Doce-SC, que se regerá pelas normas estabelecidas neste edital e na legislação vigente.




FONTE:  SIMPLY HIRED



Canceladas as provas para Agentes de Saúde da Prefeitura de Vila Velha-ES.


Atenção candidatos inscritos na seleção para Agente Comunitário de Saúde (ACS) e Agente de Combate a Endemias (ACE) de Vila Velha-ES: as provas objetivas, que seriam realizadas no próximo domingo, dia 29 de maio, foram canceladas.

Uma nova data será definida para as provas.

Mas é fundamental que você guarde o seu comprovante de inscrição, pois todas as inscrições estão valendo.

 O motivo do cancelamento é uma liminar judicial emitida em 24 de maio de 2011. Mais informações no link:


FONTE: FOLHA VITÓRIA.



Agentes de Saúde recebem cheques sem fundo.

Funcionários do Programa Saúde da Família (PSF) estão realizando a rescisão contratual com o instituto. Gálatas é uma das Oscips investigadas em um suposto esquema de desvio de recursos públicos


Os agentes de saúde contratados entre os meses de março e abril pelo Instituto Gálatas receberam cheques sem fundos como rescisão contratual.

O Gálatas é uma das Oscips investigada pelo Gaeco na Operação Antissepsia suspeitas de desviarem recursos da saúde, sendo que os diretores chegaram a ser presos.

O contrato com a Prefeitura de Londrina-PR  termina no dia 8 de junho.

A delegada regional do Sindicato dos Agentes Comunitários de Saúde do Paraná, Márcia Kitano, afirmou, na tarde desta sexta-feira (27), que vários funcionários ficaram frustrados com a situação.

“Pessoas que trabalham comigo ligaram para disser que se sentiram humilhadas pela situação, pois quando elas foram ao banco sacar o salário e a rescisão acontece uma coisa dessas”, disse.

Márcia informou que não tem como precisar quantos funcionários receberam o cheque sem valor, pois nem todos entraram em contato com o sindicato, mas ela lamentou a postura adotada pelo instituto Gálatas.

“Os cheques estavam prontos desde o dia 23 de maio, mas com a intervenção no dia 25, com o bloqueio de bens, eles não deveriam ter realizado o pagamento nesta sexta. Os funcionários trabalham e contam com o salário para pagar as contas.”

A diretora do sindicato, que também é contratada pela Oscip, ainda não fez a rescisão do contrato e está pessimista em receber os direitos trabalhistas. “Acho que vou bater com a cara no muro quando receber o cheque.”

A reportagem está tentando contato com os representantes do instituto Gálatas.



FONTE: Jornal de Londrina.


Sai Portaria que veta duplicidade de cadastro no (SCNES) em mesmo horário.


PORTARIA Nº 1.206, DE 26 DE MAIO DE 2011
Legislações - GM

Sex, 27 de Maio de 2011 00:00


PORTARIA Nº 1.206, DE 26 DE MAIO DE 2011



Suspende a transferência de incentivos financeiros referentes ao número de equipes de Saúde da Família, equipes de Saúde Bucal e de Agentes Comunitários de Saúde nos Municípios com irregularidades no cadastro de profissionais no Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (SCNES).

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe confere o inciso II do parágrafo único do art. 87 da Constituição, e

Considerando os esforços do Ministério da Saúde pela transparência nos repasses de recursos para a Atenção Básica;

Considerando o disposto na Política Nacional de Atenção Básica, instituída pela Portaria nº 648/GM/MS, de 28 de março de 2006;

Considerando o disposto na Portaria nº 750/SAS/MS, de 10 de outubro de 2006, que define o Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (SCNES) como base cadastral para o Sistema de Informação da Atenção Básica (SIAB);

Considerando a responsabilidade do Ministério da Saúde pelo monitoramento da utilização dos recursos da Atenção Básica transferidos para Municípios e Distrito Federal; e

Considerando a existência de irregularidades no cadastramento de profissionais da Saúde da Família identificadas no Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (SCNES), resolve:


Art. 1º Suspender a transferência de incentivos financeiros referente ao número de equipes de Saúde da Família, de equipes Saúde Bucal e de Agentes Comunitários de Saúde, da competência financeira abril de 2011, dos Municípios que apresentaram duplicidade no cadastro de profissionais no (SCNES), relacionados no Anexo a esta Portaria.


Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.


ALEXANDRE ROCHA SANTOS PADILHA






 MUNICÍPIOS E QUANTIDADES DE ACS INREGULAR   -       ANEXO

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Sai parte da sentença da Agente de Saúde Humilhada.

 


Caso de Agente de Saúde Humilhada, Será resolvido à Revelia.


 

 

DEUSA:LUTO,GEYSE:


SAIU UMA PARTE DO RESULTADO
,,A ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES TÊM QUE ME INDENIZAR.
AGORA QUE A LUTA VAI SER TRAVADA,
AFINAL QUEM ERA RESPONSÁVEL PELO PAGAMENTO DOS ACS ERA A PREFEITURA,,,
MUITA ÁGUA AINDA VAI ROLAR DEBAIXO DA PONTE ATÉ QUE SE TENHA UM FINAL.

ENQUANTO ISSO EU CONTINUO PASSANDO POR DIFUCULDADES,
SEM NINGUÉM PRA ME AJUDAR...
CADÊ A JUSTIÇA!!

QTO A PREFEITURA,
ACHO QUE ELES NÃO CONHECEM A LEI 11350/2006
E NEM SABEM QUE QDO ELES EXTINGUEM UM CONVENIO TÊM QUE ABSORVER OS FUNCIONÁRIOS QUE ESTÃO PRESOS SEJA POR DOENÇA OU ACIDENTE..
 
 
 

Agentes de Saúde paralisam atividades em Fortaleza-CE.




Nesta quinta-feira (26) foi marcada por um protesto de profissionais da área de Saúde na Av:. Pontes Vieira, em frente à Secretaria de Administração do município.

No local, representantes de sindicatos, agentes de saúde e endemias realizaram manifestações em busca piso salarial maior, melhores condições de trabalho e benefícios.

Atualmente, um agente de endemia recebe valor inferior a um salário mínimo.
 
 "Queremos um salário melhor. Recebo hoje R$ 538 e pouco benefício.
 
 Trabalhamos debaixo do sol, subindo e descendo em telhados, queremos ser mais valorizados", é o que diz a agente de endemias Francisca Araújo.
 
Para Jorge Souza, vice-presidente do Sindicato dos Agentes Comunitários de Saúde e Sanitaristas, falta respeito com o trabalhador.
 
"Sabemos que estamos enfrentando um momento difícil, com problemas de dengue. Mas a sociedade precisa entender que temos que nos mobilizar. Buscamos dignidade", pontua.
 
Conforme Souza explica, a categoria busca um piso de R$ 620 e benefícios como vale-alimentação no valor de R$ 13. "Os representantes do município estão em diálogo conosco, mas a proposta não é satisfatória.
 
Estamos em nossa sétima rodada de negociação e, como até agora não foi possível, estamos entrando em greve de forma definitiva".
 
Cerca de 4800 profissionais da área participam da paralisação enquanto se chegue a um acordo.
 
Apesar de conturbado, o trânsito na região foi controlado por agentes da Autarquia Municipal de Trânsito, Seviços Públicos e de Cidadania de Fortaleza (AMC).
 
 

Prefeito de Igarassu-PE dá 9,9% de reajuste salarial aos agentes comunitários de Saúde.

 
 
O prefeito de Igarassu-PE, Gesimário Baracho (PSB), chegou a um acordo nesta quarta-feira com os agentes de comunitários de saúde em relação ao aumento salarial.
 
Após uma reunião entre as partes ficou decidido que, a partir do próximo mês de junho, os servidores terão os seus vencimentos reajustados em 9,9%. A decisão vai beneficiar 207 membros da categoria.
 
A negociação foi conduzida pelos secretários de Administração e Saúde, Arlindo Teixeira e shriley Correia, respectivamente, e por  representantes do Sindicato dos Servidores Municipais e da Associação dos Agentes Comunitários de Saúde.
 
FONTE: BLOG DO MANUEL MARIANO
 
 
 

terça-feira, 24 de maio de 2011

Mais um Episódio da Associação dos ACS de Paulista-PE.

Alem de todos os episódio que aconteceram na AACSP - Associação dos Agentes Comunitário de Saúde do Paulista-PE,

Como prestação de contas 2010 rejeitada pelo Conselho fiscal, que teve que ir para Assembleia geral,

O parecer dos Ticket Alimentação favorável para os ACS,  desde Agosto/2010, que ficou escondido de alguns Diretores e dos Associados,

Contas de telefones que são dos Diretores que estão sendo pagas com o dinheiro dos Associados  e etc..

Agora foi descoberto que a Diretoria e a Associação existe de fato e não de Direito. o quer isso quer dizer !

Que não foi registrado em Cartório o Estatuto novo o qual foi orientado pela promotora, nem a posse da Diretoria, a qual vai fazer dois anos.

Sabe o que isto quer dizer que toda movimentação feita nesse período é ilegal perante a lei..

Por isso, hoje, 24 de Maio de 2011, Eu BIO acs e o Companheiro Cezar Roberto também Diretor, fomos a Ministério Publico do Município e formalizamos uma queixa para se resolva toda está situação dentro da lei.

Pois queremos dizer a todos os Companheiros, que isso não é nada pessoal com nenhum Companheiro dessa diretoria.

Agora nós exigimos que sejamos tratados com respeito, pois todos os companheiros que foram eleito como nós também fomos  para está diretoria, fomos eleitos para defender nossa categoria e cuidar dos nossos patrimónios  e falar a verdade doa em quem doer.

Agora companheiros creio que vai ficar tudo esclarecido de verdade, pois a promotoria publica é para isso,  fazer se cumprir a lei.

segunda-feira, 23 de maio de 2011

SINDACS-PE. Faz um ato amanha em Recife e Eleição dia 25,26 e 27/05 no Estado.

Amanha,  24/05,  Será o dia municipal pela Campanha Salarial dos ACS e ASACE., Organizada pelo SINDACS-PE., Concentração será apartir das 08:00Hs, . no pátio da Prefeitura do Recife.

Em reunião hoje a tarde, com a Diretoria do SINDACS-PE,  A Comissão de Eleição e os Sindicatos que apoiam a eleição, ficou decidido que em Paulista-PE, nossa votação será no dia 25/05,   onde votaremos companheiros Associados para a chapa única, que tem como  Presidente a companheira Carminha e o Vice o companheiro Jorge.

COMPANHEIROS DE PAULISTA-PE ASSOCIADOS DO SINDACS-PE, VAMOS VOTAR E MOSTRA NOSSA FORÇA.!

UM ABRAÇO A TODOS.


FONTE: BIO acs é vida.


Denúncia: Agentes de Saúde não estariam visitando residências.

Moradores do Nova Brasília-PR. denunciam que Agentes da Saúde Familiar não visitam as casas.
 
Segundo o morador, Claudemir Varella de Souza, apenas duas ou três residências são visitadas.
 
Membros da equipe do Programa Saúde da Família estariam pedindo para que os moradores assinem um documento como se as casas tivessem recebido as visitas.

Sem a visitação, os moradores têm dificuldades de atendimento quando chegam aos postos de saúde, já que não foi realizada uma avaliação prévia.

Segundo Varella, algumas agentes passavam o período da visita tomando chimarrão sem prestar o atendimento.

O responsável pelo Programa Saúde da Família, André Deparis da Silva, explicou que não sabia dessas informações e que providências serão tomadas.

Ele orientou os moradores para que não assinem documentos, caso as visitas das agentes não tenham acontecido.

FONTE: RÁDIO RURAL AM-840.

Agente de saúde sofre acidente em avenida de Campo Maior-PI.



Agente de Saúde Maria da Cruz, “Cruizinha”, que trabalha e reside na localidade Alto do Meio, a 6 km da zona urbana de Campo Maior-PI,  foi vítima de um acidente automobilístico.

O acidente ocorreu por volta das 18h30, na Avenida Santo Antônio, mais precisamente em frente do prédio da antiga Jotal, envolvendo a moto que ela pilotada, uma Biz de Placa LVY 0733, de cor preta, de Campo Maior, e o Fiat Uno de Placa HWI – 2747, da cidade de Juazeiro do Norte – Ceará, dirigido por José Nilson da Silva, do Ceará.

Os dois retorvisores da moto ficaram quebrados com o impacto.

FONTE: BRASIL PORTAIS.



Prefeitura de Estância-SE. abre 149 vagas de Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate às Endemias

A Prefeitura de Estância-SE,  (http://www.estancia-se.com.br/), anuncia aos interessados, a realização de processo seletivo para preenchimento de vagas nos empregos públicos de Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate às Endemias.

Os interessados deverão se inscrever através dos sites http://www.fsadu.org.br/  e  http://www.sousandrade.org.br/,  no

período de 23 de maio a 12 de junho de 2011.
A taxa será de R$ 36,00.

São ofertadas

88 vagas para Agente Comunitário de Saúde (ACS),
com mais 13 vagas reservadas para deficientes e

45 vagas para Agente de Combate às Endemias (ACE),
com mais 3 vagas reservadas para deficientes.

Ao fazer a inscrição, o candidato deverá observar a compatibilidade de seu endereço com a área/micro área escolhida.

O salário em jornada de trabalho de 40h semanais será de R$ 545,00.

Este processo seletivo será de 1 ano podendo ser prorrogado uma vez, por igual período.

Confira o edital, clique aqui

Da redação Itnet, Aparecido Santana.

Agentes Comunitários de Saúde não ganham adicional de insalubridade.

A proximidade com pessoas portadoras de doenças infectocontagiosas em visitas domiciliares não viabilizou o recebimento do adicional de insalubridade pretendido por agentes comunitários de saúde do Município de Cianorte (PR).

Além de não ser permanente, o contato ocorria em local não previsto em norma regulamentadora do Ministério do Trabalho, que trata das condições para concessão do adicional.

Devido a essas exigências, a Quinta Turma do Tribunal Superior do Trabalho retirou o pagamento do adicional de insalubridade da condenação imposta ao município.

A verba havia sido deferida pela Justiça do Trabalho do Paraná, com base em laudo pericial.

A decisão levou o Município de Cianorte a recorrer ao TST.

Ao relatar o recurso de revista, o ministro Emmanoel Pereira destacou que o TST tem se posicionado no sentido de que, para o recebimento do adicional de insalubridade, é “imprescindível a classificação da atividade insalubre na relação oficial elaborada pelo Ministério do Trabalho, não bastando a constatação por laudo pericial”, conforme a Orientação Jurisprudencial nº 4 da SDI-1.

Doenças contagiosas

Fixada pela Portaria 3.214/78 do Ministério do Trabalho, a Norma Regulamentadora 15, Anexo 14, exige, para a concessão do adicional de insalubridade, que haja contato permanente com doenças infectocontagiosas em locais específicos, como hospitais, serviços de emergências, enfermarias, ambulatórios, postos de vacinação e outros estabelecimentos destinados aos cuidados da saúde humana.

Os agentes comunitários de saúde de Cianorte, porém, realizavam visitas domiciliares, verificando aspectos relacionados a higiene, focos de mosquitos, recenseamento de pessoas e condições de saúde dos moradores.

Constatada alguma enfermidade ou suspeita, eles orientavam o visitado a procurar um posto de saúde para tratamento e, após confirmado por avaliação médica que a pessoa estava doente, os agentes passavam a visitá-la em sua residência frequentemente – todos os dias ou de uma a duas vezes por semana -, orientando a família sobre as formas de contaminação e profilaxia.

Segundo o perito, devido ao trabalho com proximidade com essas pessoas, os agentes tinham maior probabilidade de adquirir doenças como hanseníase, hepatite viral, meningite e tuberculose, enquadradas da NR 15 como agentes biológicos insalubres.

Estariam propensos, também, a outras doenças que poderiam ser transmitidas através do ar ou da saliva durante a conversação e do contato com objetos manipulados pelos doentes.

Foi com base nesse laudo que o Tribunal Regional do Trabalho do Paraná (9ª Região) deferiu o adicional de insalubridade em grau médio (20%) previsto no artigo 192 da CLT


TST

Ao ressaltar que nenhuma outra prova documental ou oral foi produzida nos autos além do laudo pericial, o ministro Emmanoel citou a conclusão do perito de que a atividade exercida pelos agentes comunitários não se enquadra na NR15, por não ficar caracterizado o contato permanente e, também, porque o local de contato com os doentes era na residência deles, o que não é previsto pela Portaria 3.214/78.

Nesse sentido, o relator esclareceu que o artigo 190 da CLT dispõe sobre a necessidade de aprovação, pelo Ministério do Trabalho, do quadro das atividades e operações insalubres, com adoção de normas sobre os critérios de caracterização da insalubridade.

Assim, destacou o ministro, “não cabe ao julgador elastecer a vontade do instituidor do direito, ampliando seu espectro de alcance”.

Processo: RR - 66500-77.2009.5.09.0092

Fonte: Tribunal Superior do Trabalho


Agente de Saúde morre após carro cair em um açude no Sertão.

A Agente de Saúde Francinete Pereira Clementino, de 44 anos, morreu em um acidente neste fim de semana.

O carro em que ela vinha caiu num açude que fica às margens da BR - 393 que liga as cidades de São João do Rio do Peixe-PB. e Poço José de Moura-PB, no Sertão do Estado da Paraiba, deixando uma mulher morta e outras duas pessoas feridas.

De acordo com informações do Portal Folha do Sertão, ficaram feridos o motorista do carro, José Genivaldo Braga, de 45 anos, e a estudante Nataele Pereira Braga, de 14 anos.

Eles foram encaminhados ao Hospital Regional de Cajazeiras. José Genivaldo é funcionário do Hotel Brejo das Freiras.

Ele teria perdido o controle do veículo que acabou caindo no açude

FONTE: Da Redação, com Folha do Sertão

sábado, 21 de maio de 2011

Governo amplia recursos para Estratégia Saúde da Família em 92 municípios.

O Ministério da Saúde habilitou 92 municípios de 16 estados a receberem recursos adicionais para a execução da Estratégia Saúde da Família (ESF).

Do total, 40 municípios serão beneficiados com recursos para equipes de saúde bucal.

Outros 16 receberão tanto recursos para equipes de saúde bucal quanto para equipes de saúde da família (ESF).

E mais 46 municípios receberão recursos especificamente para equipes de saúde da família.

A decisão foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta semana.

As medidas beneficiam 16 estados:

Amazonas,
Ceará,
Espírito Santo,
Goiás,
Minas Gerais,
Mato Grosso,
Pará,
Paraíba,
Pernambuco,
Piauí,
Paraná,
Rio de Janeiro,
Rio Grande do Norte,
Roraima,
Rio Grande do Sul e
Santa Catarina.

Ao todo, 633 equipes de saúde da família e 4.387 agentes comunitários de saúde (ACS) terão recursos adicionais (ver tabela I).

Cada equipe receberá, por mês, R$ 6.400 ou R$ 9.600, dependendo do perfil socioeconômico do município.

Do total de equipes, 109 ainda não foram implantadas e devem receber uma parcela de R$ 20 mil para implantação.

O valor repassado por agente comunitário de saúde é R$ 714.

Dos 4.387 agentes, 324 devem ser contratados.

Em relação às equipes de saúde bucal (ver tabela II), 309 serão beneficiadas com o valor mensal de R$ 2 mil.

Desse conjunto, 94 receberão R$ 7mil para serem implantadas.

MODELO

A estratégia se baseia em um modelo de atendimento proativo, que investe em ações de promoção e prevenção.

As equipes - compostas por médicos, dentistas, auxiliares de enfermagem e agentes comunitários - são responsáveis por uma comunidade específica e monitoram a saúde daquela população.

Munindo as famílias de informação em saúde e prevenção de doenças, a ESF reduz a ida delas aos hospitais e evita internações.

Estudos mostram que a atenção básica pode resolver mais de 80% dos problemas de saúde das pessoas.

Atualmente, a ESF conta com 31.981 equipes de saúde da família, 20.644 de saúde bucal e 246.130 agentes comunitários.

Eles atuam em 5.279 municípios, ou seja, em quase a totalidade das cidades brasileiras (5.565).

A execução da ESF é compartilhada pelo governo federal, estados, Distrito Federal e municípios.

Ao governo federal cabe estabelecer as diretrizes nacionais da política e garantir as fontes de recursos financeiros para o componente federal do seu financiamento.

SAMU

Outras portarias publicadas nesta semana no DOU habilitam os municípios de Bom Retiro (SC) e de Cotriguaçu (MT) a receberem recursos para o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU/192).

Além disso, destina recursos financeiros para o município de Piancó (PB) adquirir mobiliário e equipamentos de tecnologia da informática e de rede ao SAMU.

Os municípios de Cotriguaçu e de Bom Retiro receberão, cada um, o quantitativo mensal de R$ 12,5 mil, contabilizando um total de R$ 150 mil anuais.

Já Piancó receberá a parcela única de R$ 112,8 mil.

Fonte: Agência Saúde / Ministério da Saúde

Teste para agente de saúde tem 1.245 inscritos.

Será realizado, neste domingo (22), teste seletivo para os candidatos que vão concorrer ao cargo de agente comunitário de saúde. A prova será aplicada em quatro escolas, de acordo com a área de abrangência escolhida pelo candidato. São 1.245 inscritos, que concorrem a 350 vagas, divididas nas áreas de abrangência.

A prova contempla 25 questões e cada candidato tem até 3 horas para finalizar a prova. Os portões das escolas abrem às 8h15 e fecham às 8h50. A prova tem início às 9 horas. Para concorrer à vaga, o candidato precisa ter ensino fundamental completo. O cargo é temporário. O contrato prevê um ano de trabalho, podendo ser prorrogado por mais um ano.

Os candidatos que concorrem às vagas da região norte, vão fazer a prova na Escola Municipal José Garcia Vilar, localizada na rua Pitangueiras, 209, jardim Interlagos. Os que concorrem à região leste e oeste farão o teste seletivo na Escola Municipal San Izidro, localizada na rua Maria Oliveira Melo, 285, jardim San Fernando.

Aos que concorrem às vagas centrais, a escola destinada é a Maria Carmelita Vilela Magalhães (rua Maurício de Nassau, 329, jardim Europa). E os candidatos da região sul e rural farão a prova na Escola Municipal Joaquim Vicente de Castro (avenida Presidente Abraham Lincoln, 70, jardim Cafezal).
 
FONTE: Bonde. O seu portal
 
 

Deputado Federal Raimundo Matos requer relatório do Piso Salarial dos Agentes Comunitários de Saúde.


Raimundo Matos durante encontro com ACS e ACE em Orós.


O deputado federal Raimundo Matos requeriu, ontem a tarde, a entrega imediata do relatório do Projeto de Lei nº 7495 de 2006, referente ao piso salarial dos Agentes Comunitários de Saúde e de Combate às Endemias.

O fato é que o prazo regimental para a sua conclusão já se expirou, portanto, neste momento, a deputada Fátima Bezerra (PT-RN), relatora do Projeto, tem o dever de realizar a entrega imediatamente.

Após cancelarem diversas reuniões com a Confederação Nacional dos Agentes Comunitários de Saúde (CONACS), o Governo ofereceu propostas inaceitáveis que ofenderam a categoria e adiaram o sonho de se ver concretizado a melhoria das condições de trabalho dos Agentes.

“O que o Governo fez com essa categoria foi um desrespeito.

Os Agentes de Saúde são profissionais de extrema importância para a saúde pública do brasileiro.

Há tempos lutamos pelos direitos deles de terem um piso salarial e um plano de carreiras, que é o mínimo que o Governo poderia oferecer”, comentou o parlamentar.

A própria CONACS publicou uma carta de indignação com a posição do próprio Governo.

Raimundo Matos afirmou também que estará na linha de frente da mobilização dos Agentes para a aprovação do Piso Salarial. Diz também que estará ao lado dos quase 400 mil ACS e ACE do Brasil, pronto para “dar resposta aos que estão fazendo pouco caso da nossa luta”, como afirmou a Presidente da CONACS em seu site.


FONTE: BLOG OFICIAL DO DEP. FED. RAIMUNDO MATOS

Curso de Formação de Técnico de Agentes Comunitários de Saúde.

231 agentes comunitários de saúde (ACS) da Prefeitura de Boa Vista-RO, que integram as equipes da Estratégia Saúde da Família, receberam o certificado do Curso de Formação de Técnicos em Agentes Comunitários de Saúde.

O evento aconteceu no auditório da Universidade Estadual de Roraima.

O curso está dividido em três etapas e é ministrado pela Escola Técnica do SUS em Roraima (ETSUS/RR).

Também estão sendo capacitados 300 agentes de todos os municípios de Roraima.

Essa foi a primeira etapa da capacitação, com carga horária de 400 horas.

O objetivo é ampliar capacidades e competências para o exercício interdisciplinar e multiprofissional dos agentes, para que possam desenvolver ações de cuidado e proteção à saúde da população de acordo com as diretrizes do Sistema Único de Saúde.

Para o secretário municipal de saúde, Robério Araújo, que esteve na solenidade de entrega dos certificados, a capacitação vai contribuir para melhorar a qualidade do atendimento à população.

“Os agentes comunitários estão cada dia mais preparados para abordar e atender aos anseios da população. Eles têm um papel importante para a comunidade, pois levam aos moradores informação sobre prevenção e fazem o acompanhamento dos pacientes”, disse Robério Araújo.

O agente Raimundo Francisco Pereira atua na unidade do Cidade Satélite. Para ele a capacitação é fundamental, pois proporciona mais conhecimento sobre a melhor forma de atender à população.

“Nós aprendemos a melhor forma de passar para a população informações sobre os cuidados que devem ter com a saúde.

A comunidade precisa confiar no trabalho dos agentes para que possamos realizar um trabalho conjunto na melhoria dos indicadores de saúde”, disse Raimundo.

A agente Maria Nelci Ribeiro, do bairro Silvio Leite, disse que as capacitações de saúde são sempre necessárias, pois a cada dia é preciso renovar o conhecimento. “Nós trabalhamos de casa em casa, então temos que ter o conhecimento necessário para orientar a população”, afirmou.

O segundo módulo do curso inicia em setembro, com carga horária de 800 horas/aula, com assuntos aprofundados sobre o SUS.

As aulas acontecerão na Etsus (parte teórica) e nos municípios (prática), por aproximadamente 12 meses. As três etapas juntas somam 1.800 horas/aula.

Marta gardênia

FONTE: RORAIMA EM FOCO.

sexta-feira, 20 de maio de 2011

60 prefeituras devem enfrentar medida judicial para efetivar agentes de saúde.


Agentes comunitários de alguns municípios da região do Araguaia, como Confresa, São Félix do Araguaia procuraram no fim de semana o deputado federal Valtenir Pereira (PSB-MT) para resolver casos de efetivação deles nas prefeituras.

O parlamentar diz que só uma medida judicial resolve a questão.

 “Vamos entrar com medida judicial para garantir que os agentes de saúde e de combate a endemias tenham direito a emprego.

São 60 municípios onde tem casos de não efetivação desses profissionais”.

Um deles é Barão de Melgaço, onde ele esteve reunido com trabalhadores do setor na semana passada.

O deputado alerta que há 7.500 agentes de saúde onde os trabalhadores enfrentam esse tipo de problema junto às prefeituras.

Valtenir chama a atenção para o trabalho preventivo e essencial dos agentes de saúde em todo Mato Grosso. “Estamos com campanha da dengue, mas são os agentes que orientam e alertam preventivamente a população para estas e outras doenças, como hanseníase. Então, o trabalho deles é fundamental para a saúde da população”.

Em outra frente, o deputado informa ainda que deve ter reunião com a direção do Tribunal de Contas para saber qual a posição e recomendação da instituição quanto à efetivação dos profissionais.

É porque alguns prefeitos foram informados pelo tribunal de que a efetivação dos agentes é uma irregularidade.

É o caso do prefeito de Campinápolis,  Altino Filho (PR), que reuniu-se neste domingo com  o deputado e mais 28 agentes de saúde.

“Eu sou a favor da efetivação dos agentes. Mas se não resolver essa questão com o Tribunal de Contas, vai criar empecilho para aprovar minhas contas depois”.

Segundo Valtenir, a emenda constitucional 51 e a Lei 11.350 dão direito líquido e certo aos agentes de saúde trabalharem nas prefeituras. “A lei determina a participação financeira da União no pagamento desses trabalhadores”.

O deputado federal Valtenir Pereria é presidente da Frente de Apoio a Agentes de Saúde e de Combate a Endemias.

FONTE: 24HorasNews

Mais de 450 Agentes de Saúde Efetivados.


Em meio à pressão e à promessa de uma manifestação, o prefeito de Cuiabá Chico Galindo (PTB) efetivou nesta sexta (20),  457 agentes de combate a endemias e de saúde.

A medida era uma promessa de campanha do tucano Wilson Santos, que comandou a Capital até março do ano passado, quando renunciou ao posto para disputar, sem sucesso, ao Paiaguás.

“Foi a responsabilidade dos senhores, mesmo sem protetor solar e boné que livrou Cuiabá de um grande problema”, afirmou Galindo, durante a solenidade.

    Ele foi aplaudido de pé pelos funcionários e garantiu que todos receberão uniformes e todos os outros equipamentos necessários para realizar os trabalhos junto aos mais de 250 bairros da Capital. Segundo a representante da classe Dinorá Magalhães, a briga é antiga e já havia sido autorizada pelo Tribunal de Justiça, tendo parecer favorável do Ministério Público.

    A efetivação só é autorizada para os funcionários que foram contratados até fevereiro de 2006, conforme prevê a Lei 11.350, que regulamenta a profissão deles.

“Os profissionais não-ocupantes de cargo efetivo em órgão ou entidade da administração pública federal que, em 14 de fevereiro de 2006, a qualquer título, se achavam no desempenho de atividades de combate a endemias no âmbito da Funasa é assegurada a dispensa de se submeterem ao processo seletivo público”, diz trecho do artigo 12 da lei.

    Todos os outros funcionários contratados posteriormente só podem trabalhar no programa Saúde da Família, que funciona numa parceria com o governo federal, após serem submetidos a um processo seletivo. Cabe aos agentes de saúde promover ações de educação para a saúde individual e coletiva; o controle e planejamento das ações de saúde, de nascimentos, óbitos, doenças e outros agravos à saúde; realização de visitas domiciliares periódicas para monitoramento de situações de risco à família; Já o de endemias é responsável pela prevenção e controle de doenças.

    Participaram do ato, os deputados federal Valtenir Pereira e estadual Guilherme Maluf, que se articulam para disputar o Alencastro no próximo ano, além dos vereadores Misael Galvão (PR) e Domingos Sávio (PMDB).

FONTE: RDNEWS

ATO ESTADUAL DE LUTA EM DEFESA DOS AGENTES DE COMBATE ÀS ENDEMIAS E COMUNITÁRIOS DE SAÚDE DE ALAGOAS.

 O SINDICATO DOS AGENTES DE SAÚDE DE ALAGOAS –SINDAS/AL,

A UNIÃO DOS AGENTES DE SAÚDE DE ALAGOAS – UNIASAL,
 
O SINDICATO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE DE ALAGOAS –
SINDACS/AL,
 
A CGTB – CENTRAL GERAL DOS TRABALHADORES DO BRASIL E A
 
CUT – CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES,
 
 
No uso de suas prerrogativas convoca todos os Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate as Endemias para participarem do ATO ESTADUAL DE LUTA PELA EFETIVAÇÃO das categorias que acontecerá no
 
dia 25 de maio de 2011,
 
as 08:00h,
 
no Plenário do Tribunal de Justiça de Alagoas – TJ/AL, em Maceió,
 
com a seguinte programação:

08:00h – Concentração na Praça Deodoro  – Deliberação sobre a EFETIVAÇÃO no plenário do Tribunal de Justiça – TJ/AL.

Todos deverão se organizar em seus Distritos e irem fardados rumo à Praça para participar deste ato e garantir os seus direitos de EFETIVAÇÃO.

Maiores informações entrar em contato com ROSE, (82) 3311-7930, 
 
 
WWW.BLOGDOSINDAS-AL.BLOGSPOT.COM
 
 
 
FONTE: SINDAS-AL.